segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Lançamento | Herod Plays Kraftwerk: Banda brasileira lança álbum-tributo aos alemães















Vida e obra do Kraftwerk constituem pilares essenciais na história da música eletrônica, do rock e da cultura pop. Justamente pela influência ampla, os alemães são cotados como marco da modernidade e do futurismo até hoje - mesmo que lá se vão quase 50 anos desde o primeiro álbum, Kraftwerk, lançado em 1970. Atravessando o tempo, a geografia e os estilos, 2017 deixa claro que este legado continua a inspirar com o lançamento de Herod Plays Kraftwerk, álbum-tributo produzido pela Herod, banda paulistana de post-rock.

Uma síntese das fases entre Autobahn (1974) e The Man Machine (1978), este compilado de sete faixas não apenas homenageia Kraftwerk como serve também de prova para o experimentalismo da Herod, que recriou para guitarra, baixo e bateria a linguagem dos sintetizadores, teclados e bateria eletrônica. Reunidos em estúdio por mais de um ano até terminar o álbum, foram horas testando efeitos e medindo essências: noise, drone metal, post-rock, indie, krautrock.

Gravado na época que a Herod contava com três guitarras, a parede de compressão e dissonância deu uma densidade extra às interpretações, que ainda foram acrescidas de efeitos de guitarra e voz. “The Hall of Mirrors” utiliza cítara para recriar uma das linhas do sintetizador dando excentricidade bem peculiar à versão.   

Testado ao vivo algumas vezes em 2016, o repertório do álbum funciona tanto para uma audição de fones cuidadosa quanto para as apresentações no palco. Um exercício de criatividade, Herod Plays Kraftwerk é uma peça além do tempo/espaço de cada uma das bandas e carrega o suficiente para agradar o público de ambas.  

Herod é Daniel Ribeiro (guitarra), Sacha Ferreira (guitarra), Elson Barbosa (baixo) e Bruno Duarte (bateria).


Herod Plays Kraftwerk chegou às plataformas digitais no dia primeiro de setembro. Por questões autorais, o álbum não ficará disponível para download.

Tracklist:
1. "Kometenmelodie 1" (Autobahn, 1974)
Versão "drone metal". Influências de Sunn O))) e Earth
2. "Kometenmelodie 2" (Autobahn, 1974)
Versão pesada e rápida. Influências de Mogwai e kraut-rock nos solos
3. "Antenna" (Radioactivity, 1975)
Versão barulhenta. Influências de noise rock
4. "Radioactivity" (Radioactivity, 1975)
Versão post-rock clássico. Influências de Mogwai
5. "The Model" (The Man Machine, 1978)
Versão indie anos 90. Influências de Sonic Youth, Pixies, Dinosaur Jr
6. "The Hall of Mirrors" (Trans-Europe Express, 1977)
Versão pesada e lenta. Influências de Om, Mogwai, Godspeed You! Black Emperor
7. "Autobahn" (Autobahn, 1974)
Versão de quase 20 minutos. Trechos com influências de noise-rock, Swans, Sigur Rós, Mogwai, Godspeed You! Black Emperor - e carrinhos!

Ficha técnica:
Todas as canções compostas por Kraftwerk, rearranjadas por Herod.
Bruno Duarte - bateria
Daniel Ribeiro - guitarra e vocal em “Antenna”, “Radioactivity” e “Autobahn”
Elson Barbosa - baixo
Lucas Lippaus – guitarra
Sacha Ferreira - guitarra e vocal em “The Model” e “The Hall of Mirrors”
Luciano Sallun - cítara em “The Hall of Mirrors”
Gravado no Family Mob Studios (SP), por Hugo Silva
Mix e master no Estúdio Abacateiro, por Samuel Braga
Arte da capa: Rafael Nascimento @ Escaphandro
Arte dos singles “Antenna” e “Radioactivity”: Julian Fisch

Nenhum comentário:

Postar um comentário