quinta-feira, 20 de julho de 2017

Novo Lançamento: Ideias, etc - Estrelado





































Foi lançado em (17/07/17) o quarto trabalho da Ideias, etc, praticamente uma one man band do jovem Evandro Depiante, nascido em Vitória no Espirito Santo, mas que atualmente reside em Pelotas - RS.  No disco de oito faixas (com + 2 de bônus no download) ouvimos em breves pérolas pops relatos sobre a solidão, alucinações e outras noias da cabeça do músico.

Estrelado é um registro bagunçado, ruidoso e frustrante. Também é maravilhoso, por todas as razões pelas quais me afastei ouvindo as duas primeiras faixas, mas agora abraço de todo o coração. A vida, acontece, é bagunçado, ruidoso e frágil e, por isso, é lógico que aqueçamos as coisas que refletem esses sentimentos, e o Ideias, etc certamente faz isso. 

Da triste restrição da trilha de abertura ( noise,noise,noise ) para a maravilhosamente contemplativa Conversas,  é o tipo de disco que o acompanha; Rastejando debaixo da sua pele, apenas fica ali, um reflexo rígido e honesto de uma mente enlameada perdida no confuso nevoeiro do dia a dia.

Para saber um pouco mais sobre o projeto, acompanhe a entrevista do músico AQUI 

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Ouça "Emotional Inception", novo single da Missing Takes




























A Missing Takes acaba de lançar ‘Emotional Inception’, novo single de ‘Uneven Tides’, segundo EP da banda com lançamento previsto para este semestre. A faixa foi gravada na Casinha, em Porto Alegre (RS), por Bernard Simon Barbosa e Rodrigo Messias, que também é baterista da banda, e masterizada em Los Angeles, na Califórnia (EUA), por Brian Lucey, vencedor de seis Grammy Award e reconhecido pelas parcerias com The Black Keys e Arctic Monkeys.

É marcante a referência ao rock alternativo das décadas de 1990 e 2000 também neste novo trabalho. Até porque a banda tem se aproximado cada vez mais das origens do gênero após a California Tour, realizada entre abril e maio de 2017, com nove shows em diferentes cidades do estado norte-americano. Uma nova viagem para fora do Brasil já está marcada para novembro. Em breve, a banda vai anunciar as novidades.

Sobre a banda

Formada em 2015, a Missing Takes lançou seu EP de estreia, ‘Superfriend Going Down’, no Dia Mundial do Rock - 13 de julho - do ano seguinte. A primeira formação contava com Mateus Zuanazzi (vocal e guitarra), Pedro Mello (baixo), Caio Mello (guitarra solo) e Tony Zambon (bateria). Após a gravação do disco, o baterista saiu e Rodrigo Messias, sócio do estúdio Casinha, de Porto Alegre (RS), que já havia acompanhado a produção do EP, assumiu a vaga.

Em 2017, com a saída de Caio Mello, a Missing Takes assumiu uma formação temporária de trio. Ao mesmo tempo, surgiu a oportunidade de tocar em Los Angeles (CA), nos Estados Unidos, dando início a um projeto que virou realidade: a primeira turnê internacional. A California Tour aconteceu entre abril e maio deste ano.

Com a volta ao país, chegou também o lançamento primeiro single do novo EP. A faixa ‘Pulling Back’ teve aparições em listas de melhores lançamentos de maio de 2017 e apresenta o amadurecimento da banda, com mais participações especiais e unidade autoral. ‘Emotional Inception’ dá continuidade a esse processo, que levará ao segundo EP da banda porto-alegrense, intitulado ‘Uneven Tides’.

Missing Takes é Mateus Zuanazzi (vocal e guitarra), Pedro Mello (baixo), Tito (guitarra solo) e Rodrigo Messias (bateria).


Fotos: Gustavo Faria

Ouça logo abaixo "Emotional Inception" e "Pulling Back", os dois singles já liberados do novo EP.

Ventre e EATNMPTD lançam documentário sobre show no Bananada

Foto: Rodrigo Gianesi

Um dos shows mais aclamados pela crítica especializada durante o festival Bananada 2017 acaba de virar documentário. O encontro das bandas E a Terra Nunca me Pareceu Tão Distante (SP) e Ventre (RJ) foi realizado em maio, durante showcase do Dia da Música, no festival goianiense. O curta de nove minutos foi produzido no melhor estilo “do it together” pela Moment, que acompanhou as bandas desde o desembarque no aeroporto, no ensaio e durante a apresentação. O resultado é uma troca de energia intensa, revelando a forte amizade que há entre os músicos.

"A gente é power trio, então a gente sempre fica fazendo mais pra preencher a falta de um quarto membro. E agora a gente tem que fazer menos, dar espaço, abrir o espaço e ouvir o outro. Mas pra mim, pelo menos, isso significa diversão", relata Larissa Conforto, baterista da Ventre.

Duas das bandas mais explosivas da atual cena independente, o trio carioca Ventre e o quarteto paulista E A Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante tornaram aquela apresentação histórica. No repertório, canções das duas bandas em uma performance que uniu duas baterias, dois baixos, três guitarras, e ainda teclados e programações. Nos últimos anos, as bandas são presença marcante em festivais de todo o país e também trazem em comum os seus trabalhos dentro do casting da Balaclava Records.

A combinação de letras intimistas com o indie rock dos anos 2000 e a psicodelia dos anos 70 são a fórmula da Ventre, que traz em sua trajetória a participação em outros  festivais importantes no circuito alternativo nacional, tais como Bananada (GO), Do Sol (RN), Coquetel Molotov (PE), Transborda (MG), Vaca Amarela (GO), MoLA (RJ), SIM São Paulo 2016 e MECAInhotim (MG). A Ventre é Hugo Noguchi (baixo), Larissa Conforto (bateria) e Gabriel Ventura (voz e guitarra).

O quarteto instrumental E a Terra Nunca me Pareceu Tão Distante marca o público pelo entrosamento. Os guitarristas Lucas Theodoro e Luden Vianna e a cozinha representada por Rafael Jonke Buriti e Luccas Villela mostram que o rock independente está mais forte do que nunca. Formado em 2013, na capital paulista, eles apresentam no show o repertório dos seus discos "Nem Tanto, Nem tão Pouco" (2013), "E A Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante" (2013), "HIP 13044b" (2014), "Luz Acesa" (2014) e "Vazio" (2014), além do single “Medo de Morrer | Medo de Tentar” (2016).

Ficha Técnica

Concepção e produção artística: Katia Abreu

Produção local: Chrisley Hernan Ximenes e Edimar Filho
Som PA: Bernardo Pacheco
Som Monitor: Gustavo Mendes
Roadie: Fabiano Benetton
Luz: Chrisley Hernan Ximenes

Vídeo produzido por Moment

Imagens, montagem e finalização:
Diogo Fleury, Rodrigo Cunha, Victor Souza

Realização: Dia da Música + Festival Bananada + SESC Goiânia

Apoio: Balaclava Records, Breve, Cafofo Estúdio

Assista ao documentário:


Distúrbio Feminino reúne música e mídia feminista para terceira edição de festival

Arte: Ana Beatriz Rezende 
O Riot Grrrl BR tem encontro marcado no dia 22 de julho durante a terceira edição do Distúrbio Feminino Fest!

A velha e a nova Escola do Punk Feminista Nacional vêm muito bem representadas com:

Dominatrix! Em apresentação dos 20 anos do primeiro álbum, Girl Gathering, o quarteto, fundado em 1995 e fundamental para o punk brasileiro, se reúne especialmente para tocar este clássico de 1997 e muitas outras essenciais de seu precioso catálogo. Apenas imperdível!

Foto: Alvaro Rodrigues

Charlotte Matou um Cara! Vem pra mandar a real sobre ser Mulher Punk no Underground atual e mostrar ao vivo toda a porrada do álbum de estreia, lançado em abril. Minas cospem fogo: vai ser explosivo. Ouça.

Foto: Larisa Zaida

Soror! O ressoar ancestral ecoa lá de Brasília e chega com densidade através do quarteto. Invocação, rituais. Sonoros. Experimentais. Explorar e extrapolar os instintos. Abstração. No repertório, faixas do primeiro EP (2014) e muitas inéditas. Ouça.

Foto: Ianni Luna

 Katze! De Curitiba, Katze é uma sensação. Trabalho solo de Katherine Zander, integrante do duo Cora, vamos celebrar as fases da Lua com ela e o repertório de Moon Phases of a Relationship, primeiro - e badalado - EP que saiu em março. Minimal jazz com o brilho das guitarras lo-fi e um marcante downbeat para acompanhar o mergulho nas estrelas. Ouça.

                                                                 Foto: Jonah Emilião
                                                                                    
Nas paredes, arte poética e guerrilheira com expo de lambes de Ryane Leão/Onde jazz meu coração.

Ainda na programação: roda e encontro sobre Mídia Feminista no mundo virtual e fora dele ::: como e porquê comunicar é empoderar ::: mulheres produtoras de conteúdo que usam meios variados como ferramenta para o Novo Feminismo. Com participação de:
PapodeMulher - canal no YouTube
Beliza Buzollo/Na Ponta da Língua - quadrinhos
Ryane Leão/Onde Jazz Meu Coração - lambe/poesia
Monique Dardenne - Women's Music Event
Cris Rangel/Lôca do play - livro/poesia
Maria Luísa Lopes/Delirium Nerd - blog cultura pop
Luciana Roedel e Marina Marchesan/PPKdanada - zine
Camila Visentainer/Melão Cólica/Coletivo Cósmico - zine
+ a confirmar

Bazares e comidas também fazem parte:
Expositorxs:
Coletivo Cósmico - bordados, desenhos e outras produções manuais do coletivo artístico de Santo André
PPKdanada Zine (RJ)
Pedra - joias de prata de Luciana Roedel
Bertha Lutz - merchs especiais da banda mineira
L'oiseau Acessórios Vintage - acessórios raros de toda parte do mundo
Empodera Distra - camisetas, moletons, bottons e mais artigos lindos de nossas bandas feministas preferidas!
Camisetas da XXT Power
Pussy Art - bijuterias artesanais de ppks
Atitudiyane - bijux de bucetinha
+ a confirmar

Cozinha:
Fernanda Gamarano, guitarrista/vocalista da Der Baum e fotógrafa talentosa, vem trazer as delícias de seus quitutes da Fefas Massa.

Discotecagem 101% Distúrbio Feminino Hits e Grrrl Germs Essentials!
                                                                            





















segunda-feira, 17 de julho de 2017

Conheça a misteriosa e sensual A Band Called Love

































Quem é você? Essa é a pergunta que ecoa na cabeça de quem escuta A Band Called Love pela primeira vez. O projeto-banda de identidade não revelada, mas nuances de sensualidade trash que lembram um Serge Giansburg quase decadente, mostra um pouco de seu universo obscuro na faixa Carne Viva - e no clipe com ares de filme B dos anos 80.

Entre versos como “libere sua libido mais intensa” e paredes de veludo, com um tom lisérgico e sexy, Carne Viva te convida a uma viagem sem excessos de efeitos. Algo entre “The Felt velho e Connan Mockasin novo”. O vídeo dá indícios de quem, ou o que, está por trás de ABC Love: um velho vouyer que se realiza filmando fantasias alheias.

Carne Viva estará no álbum de estreia da banda, ABC Love e o Álbum do Prazer, que será lançado pelo selo paulistano Balaclava Records no próximo semestre. Quem quiser entender mais sobre a banda pode conferir a performance ao vivo durante o MusicVideo Festival, no Museu da Imagem e Som (MIS, São Paulo), onde também será apresentado seu próximo videoclipe. A entrada é gratuita.

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Supervibe - Sonido (WEBCLIPE)

























À medida que o Hemisfério Norte se move através de uma primavera preguiçosa em um verão muito aguardado, é bom estar imerso em música que se inspira na magia da natureza. ‘’Sonido’’ pode ser o que você precisa para conhecer a Supervibe, mas, como todas as coisas boas, demorou-se a criar e desenvolver. Foi em 2016, de fato, com as primeiras ideias emergentes como poesia e caindo em pedaços de papel.

O resultado são cinco faixas de musicalidade requintada, tão frescas que poderiam ter sido escritas ontem, ainda assim tão eternas como a luz do sol. Esta música deliciosamente relaxada é para os momentos em que o silêncio é muito severo, mas o som não precisa mais do que se misturar com a respiração. 

O tempo, bons sentimentos e uma fonte de talento se combinaram para criar Autóctone e talvez perdure nele  uma deliciosa mistura de poesia e música. Preciso respirar, tirar tempo e lembrar que há mais vida do que a moagem diária? Sente-se e deixe Sonido transportá-lo para uma floresta nas montanhas onde a natureza se desenrola a um ritmo mais lento. Então, talvez pegue sua mochila e vá para lá de verdade.

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Ventre lança vídeo ao vivo para “A Parte”, gravada no Inhame Sessions

























“Sonhos não compartilhados são sonhos enterrados”. Um dos mais marcantes versos de “A Parte”, da Ventre, define a fase atual do grupo. A canção, presente no álbum de estreia do grupo, acaba de ganhar um vídeo ao vivo produzido no Inhame Sessions, trazendo uma iluminação intimista que dialoga com a rotina do casal representado na letra. Longe de enterrar os sonhos, a Ventre compartilha o clima de cumplicidade entre os integrantes no vídeo.

Em turnê nacional com o álbum de estreia lançado em 2015, “Ventre (抱きしめ キス)”, o power trio já passou por alguns dos festivais mais importantes do país, como Coquetel Molotov (PE), DoSol (RN), Bananada (GO) e este mês se apresentará no MECAInhotim (MG). Enquanto conhecem o país visitando cidades de Norte a Sul, os três músicos ganham força para trabalhar no próximo disco, ainda sem data de lançamento.

O vídeo foi gravado no Inhamestúdio, também conhecido como QG da banda Vladvostock, em Cotia (São Paulo). No começo de 2017, o local se transformou em um espaço para ensaio, gravação, mixagem e produção, e o projeto audiovisual se tornou uma consequência deste novo momento. Localizado a 30 minutos da capital paulista, o estúdio é um recanto com grande espaço em área verde preservada, oferecendo um ambiente rico em sensações. Já participaram do Inhame Sessions os músicos Neiva, João Viegas e Papisa.

O vídeo teve a captação de áudio feita por Ablan Namur e Rubens Adati; enquanto a mixagem e masterização foram de Rubens Adati. A captação de vídeo é Yasmin Kalaf, e a fotografia de Rubens Adati e Yasmin Kalaf. A edição de vídeo ficou sob a responsabilidade de Rubens Adati, enquanto a arte é de Thaïs Jacoponi.

Ventre é Larissa Conforto (bateria), Hugo Noguchi (baixo) e Gabriel Ventura (voz e guitarra).

Fotos por: Hannah Carvalho

quarta-feira, 12 de julho de 2017

A energia no indie da Quasar em "Nada de Novo Sob o Sol"

     Foto: Carolina Brandão

A banda paulista Quasar lança "Nada de Novo Sob o Sol", single inédito pela Banana Records e Pessoa que Voa. A faixa é potente, tanto sonora quanto emocionalmente, pulsando do começo ao fim até alcançar um tipo de apogeu indie, influenciado pela Ventre e Bloc Party. Gravada em casa pelos próprios integrantes, "Nada de Novo Sob o Sol" aponta a direção do primeiro disco da banda, "Coruja", que deve sair no segundo semestre desse ano.

De São Paulo/SP, a Quasar é formada por Caio Gonçalves, Felipe Meneses e Guilherme França. Psicodelia, distorções e muita influência do cenário musical atual marcam o estilo da banda, que conta com o EP "Enquanto o Futuro Não Vem", lançado pela Banana Records.

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Ouça "Embracing the Sun", o novo álbum do The Bombers

Foto: Roberto Gasparro

A banda santista The Bombers liberou nesta sexta-feira (7) o streaming do quarto álbum de estúdio, "Embracing the Sun" lançado pela Hearts Bleed Blue (HBB). O disco foi produzido e mixado por Gustavo do Vale em São Paulo nos estúdios Bocaina 72 e Porto Produções Musicais. A masterização ficou por conta de Ricardo Carvalheira.

Segundo o vocalista Matheus Krempel, "Embracing the Sun" se difere dos trabalhos anteriores, já que todos os integrantes participaram do processo de composição. “As composições não ficaram centradas em mim. Todo mundo contribuiu com ideias, letras e bases, o que fez com que o som soasse mais orgânico, mais coeso, no entanto sem perder a característica experimental, que sempre foi o que nos motivou a tocar desde o início. Estamos nos sentindo mais banda do que nunca e acredito que isso tenha sido nossa grande conquista”.

Depois de “All About Love” (2014), um disco inteiro cantado em inglês, três faixas em português aparecem em "Embracing the Sun", sendo uma delas uma versão de “Mestre Jonas”, clássico do rock nacional baseado no conto bíblico “Jonas e a Baleia” e composto pelo trio Sá, Rodrix e Guarabyra em 1973.

O disco ainda conta com as participações especiais de Henrike Baliú (Blind Pigs), Jay Bone (Mafia Red), Jhow “O Grande” (Shark Attack), Zé Pitoco e Olivio Souza Filho.

quarta-feira, 5 de julho de 2017

“Vacilos”: single de Valciãn Calixto antecipa nova fase da carreira

























O cantor piauiense Valciãn Calixto é conhecido por ser um dos fundadores do movimento Geração TrisTherezina, que divulga a cena independente do estado. Em nova fase, mais solar, ele lança o single “Vacilos”, com arranjos sofisticados, compassos compostos e forte influência das love songs da década de 70. A canção escrita em 2012 retrata uma fase melancólica vivida pelo cantor e compositor.

“Não a lancei antes, pois não combinava com o som que eu fazia na Doce de Sal, minha antiga banda. Também não tinha muito a ver com o clima arisco do FODA!, meu primeiro disco solo. Nesse, como será um trabalho mais solar, de personagens que tentam se restabelecer perante circunstâncias diversas, finalmente tem espaço para essa música”, analisa Valciãn Calixto.

Para toda travessia melancólica, canções lamuriosas são a trilha sonora perfeita. E foi ouvindo “Summer Holiday”, de Terry Winter, “The Are The Songs”, do Tim Maia ou “Loving You”, de Minnie Riperton, que Valciãn inspirou-se para compor a letra de “Vacilos”. A canção, que foge da sonoridade e temática vistas em “FODA!”, é uma reinvenção do artista, que inova em sua própria obra fazendo algo que não é absolutamente novo: cantar sobre a famigerada “dor de cotovelo”. O single se afasta da estética pesada do disco anterior e investe em delicadeza. Saem as guitarras, entra o aspecto mais dócil de uma balada.

“Vacilos antecipa um lado mais sutil e leve em algumas das canções que estarão no meu segundo disco. Com presença maior de teclados, piano e arranjos sofisticados, melhores elaborados e mais trabalhados especificamente para esses instrumentos. Até para o baixo, que em geral é instrumento mais de acompanhamento, estamos elaborando arranjos mais melódicos e com maior presença no andamento das músicas”, explica.

O single traz um time de peso para a sua construção. Os irmãos de Valciãn, Marlucio e Marciano Calixto, marcam presença tocando teclados, além de bateria e bongô, respectivamente. A música foi gravada no Calistúdio (PI), com mixagem e masterização do músico jandirense Theuzitz (SP). O baixo e os arranjos do teclado são de Valciãn Calixto.