quinta-feira, 6 de abril de 2017

Jonathan Tadeu lança " Filho do Meio"





































Pra quem viveu os anos 90, a atual recessão econômica parece um loop cruel, onde nosso lugar no mundo e na vida pode ser bruscamente modificado. E é nesse terreno de retrospectivas, autoanálise e relação espaço/tempo que Jonathan Tadeu fez seus novo disco: nos melancólicos e reflexivos sete dias entre o Natal e o Réveillon de 2016 ele compôs todo o repertório de “Filho do Meio”, seu terceiro trabalho em apenas dois anos de carreira solo. A cada sentada de criação feita em um software de gravação simplificada, ele enviava o material para o produtor e músico João Carvalho (Sentidor/Rio Sem Nome/El Toro Fuerte) finalizar os arranjos e mixar as faixas. Um disco feito em casa, por quatro mãos, ainda que Jonathan e João não tenham se encontrado ao longo do processo de produção. 

Um dos destaques do disco é a abordagem franca de temas inéditos em seu texto, como o racismo, o classismo e a estetização/hipsterização das misérias sociais. O modo descritivo e sensível de seus relatos amorosos continua centralizando o trabalho, afinal, Jonathan se tornou um dos expoentes do chamado “rock triste” ao lançar “Casa Vazia” (2015) e “Queda Livre” (2016), discos onde ele solidificou um estilo melódico, introspectivo e avesso às letras grandes. Agora, as bases eletrônicas, harmonizadas com sintetizadores, desafiam a métrica de suas composições e colocam o músico numa posição singular e inquietante. 

Jonathan Tadeu 

A sequência de lançamentos “Casa Vazia” (2015), “Queda Livre” (2016), e agora “O Filho do Meio” (2017), ilustra bem como a carreira de Jonathan Tadeu acompanha o incrível ritmo de produtividade do coletivo/movimento Geração Perdida de Minas Gerais. Durante 6 anos liderou a Quase Coadjuvante, banda que, literalmente, fez barulho por onde passou. Videomaker nacionalmente reconhecido, ele também dirigiu dezenas de clipes de bandas, inclusive os seus próprios. Preto e de origem pobre, Jonathan é, sem dúvida, um autodidata que deu certo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário