terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Jujs - Mini coletânea de demos da Jujs






































É difícil escrever sobre o mesmo tópico de música em várias ocasiões; É ainda mais difícil quando a coleção exala tal sensação de atmosfera que qualquer tipo de abordagem descritiva se sente completamente ligada e conduzida por metáforas e sentimentos pessoais. Júlia Tiengo Zumerle (Jujs) de vinte e poucos anos está principalmente ciente das promessas baratas de jovens adultos, faixas laterais, becos sem saída e falsos começos e sua aproximação convoluta a este espaço liminar de vida é refrescante e profundo.

‘’ Mini coletânea de demos da Jujs ‘’puxa a beleza do abismo. Um trabalho íntimo e rico, o lirismo da compositora se derrama através de um espaço aperfeiçoado com um olhar de quem está pronto para separar as verdades percebidas através de uma dureza mordaz. Cada palavra é cuidadosamente escolhida para ser tão importante quanto a próxima, sem inflexões exageradas ou ritmos clichê. Construindo um espaço que é inteiramente seu, Júlia não se afoga em suas tristezas - em vez disso, ela permanece à tona com uma esperança relutante que, por sua vez, permite exalar um pouco de luz na mente do ouvinte.

Como "hello, mariah" detém laços nostálgicos, faixa mais impessoal, a musicalidade é um aceno pródigo e pensativo para o mundo dela, mas com uma sonoridade bem simples e direta  e arranjo que se sente fresco e moderno. Júlia aborda assuntos difíceis com coragem e suavidade impa. ‘’Carta Aberta’’ é uma canção sobre como suprimir o desejo de mergulhar de volta para uma situação que é tóxica para si mesmo. A última faixa do EP, ‘’Comunicação organizacional’’, é imersiva em última análise, nos relacionamos com a sua vulnerabilidade, com a sua impotência e impermanência emocional e, porque representa algo que talvez tenhamos esquecido, ficamos cada vez mais profundos no seu núcleo transitório, de alguém que vê o mundo um pouco diferente para a maioria. Um esforço monumental não para os cansados; Mas um esforço monumental mesmo assim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário