sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Lançamento - Theuzitz explora cada vez mais sua sonoridade em “Peso das Coisas”





























Radicado em Jandira-SP, Theuzitz, 20, lança seu primeiro disco cheio um ano após a divulgação do seu primeiro EP, Parqueda Luz, em fins de 2015.

Com a produção toda conduzida por Matheus, o Peso das Coisas foi gravado com pouquíssimos recursos no que diz respeito aos equipamentos utilizados, e com exceção de alguns samples e colagens externos, foi inteiramente captado mixado e masterizado por Theuzitz dentro de seu próprio quarto, com a participação pontual de alguns outros artistas independentes de São Paulo, como Steve de Pace da banda Moblins, que dividiu as guitarras e sintetizadores com o autor em Cavalo, Lucas de Araújo da banda Jagsax, que gravou violinos e saxofone na faixa Saudade, o cantor Diaz e o percussionista Bruno Will que gravaram coro e percussão nas canções Ninguém se Importa e Andaluz, respectivamente.

Percorrendo temas como depressão, transcendência, sexualidade e política, a sua maneira, o Peso das Coisas propõe um ponto de vista mais abrangente no lidar cotidiano. É sobretudo um disco de empatia.

Por Theuzitz

Peso das Coisas é um convite à experimentação. Um comentário em primeira pessoa a respeito da nossa multiplicidade enquanto seres sensíveis em vários de seus aspectos, ideológicos, físicos, espirituais, sentimentais, e em como ela se manifesta e pode ser maleável.

Gravado dentro de um quarto, com poucos recursos, inserido numa cidade distante geograficamente dos grandes centros, o “Peso das Coisas” não deixa de ser também um reflexo sobre esse meu deslocamento, partindo do discernimento de Jandira, onde moro e vivo há anos, até o transito constante para São Paulo, onde me encontro a “vida útil” de trabalho. A ideia também é evidenciar o quanto essas áreas se afetam podem construir novos lugares.

A demonstração dessa proposta acontece de forma intuitiva dentro dos gêneros permeados no disco, (folk, punk, noise, samba, dream pop, rock psicodélico, spoken word, indie pop), nas capas (tanto do single “Ninguém se Importa” quanto do próprio LP) e nos samples e colagens utilizadas ao longo das 11 faixas, que relacionam artistas como Dorival Caymmi, Clementina de Jesus, Nirvana, Yoñlu, Zóio de Gato, entre outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário