terça-feira, 12 de julho de 2016

Transtorninho Records - Lançamento #14 - "Máquinas - Lado Turvo, Lugares Inquietos"


"Uma atmosfera distante se ouve junto a outros ruídos e experimentações. Instrumentações borradas se misturam e vão se acumulando até o primeiro sinal de bateria, onde tudo se torna mais claro. “Quarto Mudo”, a faixa de abertura (e, curiosamente, a única com refrão) de ‘Lado Turvo, Lugares Inquietos’, ajuda a entender o nome do disco e dá um vestígio do que pode se esperar pelos próximos 50 minutos, divididos em 6 faixas.

''Mal-agradecido'' segue com notas de baixo pontuais, ora dissonantes, erguidas por uma batida desordenada e um som de guitarra ruidoso e agudo, traduzindo o sentimento de angústia de um narrador que tem “saudades da miséria” e reforçando a escolha da banda por letras mais cruas e impactantes. Temáticas oníricas e sobre devaneios então sempre presentes nas letras deste disco.

“Zolpidem”, terceira faixa do disco que faz clara referência ao uso de hipnóticos para sono. As primeiras notas de guitarra de introdução desta faixa são objetivas, bem características, e refletem as influências de algumas das bandas de rock da vertente mais introspectivas que surgiram no fim da década de 80 e início da de 90. As dinâmicas neste disco mudam o tempo todo, passando por momentos de calmaria para explosões de massa sonora clipadas, como se fossem aqueles segundos que antecedem a tempestade. Lugares inquietos são também lugares de desconforto e ansiedade.

“Contramão” é a faixa mais breve do disco, e nela, as guitarras dão um tom distante. Um protagonista arrependido e desiludido, culminando em um final chuvoso, com clima de filme ‘noir’. As influências neste álbum fogem do que se espera de um álbum tradicional de rock. Traços do Jazz e do Dub também são contemplados, e em “Drive By”, a faixa mais longa do disco, abraça com ainda mais força essas transições da dinâmica sonora.

A última faixa do disco, “Heitor”, dá uma ideia de um caminho que a Maquinas pretende seguir nas próximas composições. Tempos quebrados, arranjos minimalistas e desconstruídos e (mais ainda) experimentações e improvisações. “Lado Turvo, Lugares Inquietos” pode ser visto por muitas pessoas como um álbum carregado, sombrio e até deprimente, mas defini-lo assim seria insuficiente. Se trata de superar ansiedades e estar disposto a enfrentar e espantar nossos sentimentos negativos."

Sobre a banda:

Maquinas é uma banda de Fortaleza formada em 2013 por Allan Dias (baixo/voz) e Roberto Borges (guitarra/voz). Junto com o guitarrista Eric Catunda e Tomás Dahas, a banda lançou o primeiro EP homônimo em 2014, ganhando notoriedade pela cidade e pelo país. Em 2015, o grupo se renovou, com a entrada do guitarrista/vocalista Samuel Carvalho e do baterista Ricardo Guilherme Lins, formação esta que se consolida com o lançamento do álbum Lado Turvo, Lugares Inquietos, debut da banda lançado pela Bichano Records (Rio de Janeiro) e pela Transtorninho Records (Pernambuco).

A sonoridade do maquinas é difícil de nomear apenas com um gênero musical. Fruto da criação em conjunto de músicos cujas influências passam por diversos estilos que vão do shoegaze, o noise-rock, o jazz, o emo, o experimental, sem criar delimitações ou fronteiras, o maquinas canta sobre a modernidade indiferente, os sentimentos reprimidos, a nostalgia e os sonhos de noites pesadas. O primeiro EP com sua roupagem mais dream rock deu lugar a um maquinas mais “climático” com os lançamentos dos singles zolpidem e mal-agradecido, ambos lançados pelo selo carioca Bichano Records, seguindo por um caminho próprio de experiências musicais e identidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário