quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Mindgarden lança álbum “Cellophane” na íntegra

Foto: Mixi de Quadros & Flora Simon


























O sucessor do homônimo EP, lançado em 2012, foi batizado de “Cellophane”, palavra em inglês que nomeia a película feita de celulose que possui fácil moldagem, é sensível ao corte e protetora ao mesmo tempo. Esse paradoxo permeia o inusitado conceito como um vetor de orientação estética e visual para o álbum. São dez faixas, com letras que relatam vivências cotidianas, existencialismo e questionamentos à sociedade moderna com sonoridade que varia entre influências e timbres vindos de diferentes vertentes. Algo de Post-rock, Stoner Rock e Psicodelia, tendo como base ritmos de bateria e percussões que fazem a junção de texturas e melodias vocais duplas transformarem-se em verdadeiros mantras.

Já a produção do álbum foi uma construção minuciosa, começando pelo local onde foi realizada a maior parte das gravações: uma antiga residência rural em meio à natureza, que abriga os ensaios da banda desde seu surgimento. “A sugestão veio do produtor musical Carlos Balbinot, com o conceito de captar a banda ao vivo, na sua mais pura essência” relata o vocalista e guitarrista Marcelo Moojen. Para isso, a Noise Produtora de Áudio instalou 20 microfones pela velha casa de madeira e, em dois dias, o instrumental estava captado.

A arte da capa criada por Leo Lucena, que além de ilustrador e artista gráfico, é membro das bandas conterrâneas Catavento e Descartes apresenta uma montanha que é atingida por uma energia que vem de cima e, ao mesmo tempo, emana sua própria energia. “A montanha representa a cidade de Caxias do Sul, enquanto a variedade de cores representa sua cultura plural e multifacetada, que se mistura e se transforma a cada encontro, gerando novas cores.” explica Marcelo Moojen, vocalista e guitarrista da banda, que além de gerar o conceito, fotografou o processo. “A técnica usada para o design da capa foi um pouco incomum: foi feita uma colagem com celofane transparente, fita adesiva e filtros. Assim, a luz branca dividiu-se em outras cores através do fenômeno conhecido como birrefringência” complementa Marcelo.

O álbum físico foi lançado em CD pelo selo Honey Bomb Records no último dia 11 de novembro e foi fomentado pelo Financiarte, uma política pública de incentivo à cultura da Prefeitura Municipal de Caxias do Sul.

OUÇA “CELLOPHANE” LOGO ABAIXO 

Nenhum comentário:

Postar um comentário