segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Lautmusik - ''Juniper'' (2015)


Você já teve aquela sensação quando você ouve um disco novo e ele faz seu cabelo ficar em pé? Esse é o caso de ‘’ The Purples and the Greens ‘’, faixa de abertura de Juniper, novo álbum dos gaúchos da Lautmusik. Não só é a capa do álbum tristemente bonita, mas a banda encontra-se agora trabalhando em uma direção mais densa, em um mar lamacento pós-punk. Você pode estar familiarizado (ou não) com ‘’Lost in the tropics’’ primeiro disco cheio da banda que embala muito mais com seu território shoegaze, com baixo pesado e guitarras 90’s. Por outro lado, Juniper tem um ar misterioso, riffs de guitarra atmosféricos, e insufláveis ​​ tambores.

Como eu disse anteriormente a intro (de juniper) realmente me chamou a atenção. Quando o relógio bate 4 vezes para a segunda canção (Die Muse) rola um punch de guitarra que lembra Brighter Arrows, então o baixo vem como um lobisomem bipolar). Você encontra-se quase a meio caminho na música quando entre batidas pesadas é um sussurro indistinto, novamente seu cabelo pode ficar em pé (isto é normal, continue ouvindo). O álbum progride com um teor soturno, perfeitamente colocado,  faz com que você se sinta preso entre o espaço do sonho e sua vida cotidiana real, tropeçando, perdido entre arranjos suntuosos e a levada crua de cada faixa. Esta é de longe a mais longa trilha para se perder em "Eu vi o sol, eu pensei que era o céu, que levou oito anos, mas finalmente chegou".

"Juniper" pode não ser para todos, mas ele preenche a lacuna entre as pessoas que gostam de música mais escura / mais pesada/ e pessoas que gostam de linhas mais suaves/ indie rock e shoegaze.  Lautmusik realmente melhorou e amadureceu a partir de sua última aventura e estou animada para ver o que eles conseguem no caminho a seguir. Eu não tenho quaisquer queixas com o domínio ou a musicalidade... Embora, algumas das partes mais suaves pareçam semelhantes e acabam se misturando, e algumas vezes os vocais podem ser um pouco demasiado bastante, mas a fórmula da banda é demasiado perfeito para o tipo de som que fazem. Vai ser a trilha sonora de seus devaneios durante todo o dia de trabalho chato, como ele carinhosamente sussurra em seus ouvidos que evocam várias escutas desta obra (nem tão prima) mas muito conceitual.

Nenhum comentário:

Postar um comentário