sábado, 29 de agosto de 2015

LANÇAMENTO #PD05 - SENOMAR - ONZE (2015 - Full)‏


Formada em abril de 2014 em Uberlândia-MG, quando Senomar Torres (Vocal) decidiu gravar um disco no apartamento que morava com alguns amigos. Era um projeto antigo que estava parado há algum tempo já, e voltou à tona com a vontade e possibilidade de gravar as músicas com ajuda do amigo Eddie Shumway, dono da Travesseiro Discos, produtora de áudio e vídeo.

Os amigos Gabriel Campos (Baixo), José Guilherme Rangel (Guitarra), Iuri Resende (Guitarra) e Felipe Maciel (Bateria) começaram a ajudar na gravação do disco, que logo foi deixada de lado, pois viram que o som poderia ser melhor produzido e gravado. Assim, nasceu a banda Senomar, que deixou de ser um projeto pessoal para ser uma banda formada como uma família de amigos que curte fazer som próprio.

Depois de quase um ano de pré-produção, a banda gravou seu primeiro álbum intitulado “Onze”, com o produtor Gustavo Vazquez no estudio RockLab em Pirenópolis. Lançado em 21-08 e muito bem recebido nas redes sociais e nos shows de lançamento, o Onze ainda conta com um clipe produzido por Eddie Shumway, com imagens da viagem feita pela banda no processo de gravação.



Na busca de um estilo musical autêntico a banda possui influência da MPB, bossa nova, samba, rock, dos devaneios, incertezas e amores. Senomar compõem com sentimento e melancolia nas letras e contos sobre as experiências e anseios amorosos da vida.

Faça o download AQUI 

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Transtorninho Records: Lançamento #11 - 'Novampb - Too Cool For Words"‏


Novampb é uma música sonhadora pra quem sonha acordado no caminho de volta pra casa, de tarde ou de madrugada, vendo a cidade com um certo distanciamento de estar na casa dos outros e que mesmo assim se sente responsável por um pedaço das ruas. De quando, depois de tanta alteração da consciência, de repente entende tudo e fica rindo de como as coisas são estranhas e bonitas.

Feita exatamente por Smhir Garcia, de Maceió - AL em Recife - PE, em 2015, e ninguém mais. Só ele escuta esses sons na cabeça, nessa ordem e desse modo, com todos os detalhes. Agora ele passa pra gente e espera que a gente entenda. E, quem entende, entende exatamente o que ele quer dizer.


Este é o segundo lançamento do projeto pela Transtorninho Records, seguindo o bem recebido 'Disquinhp' de 2014 e mistura IDM, vaporwave e glitch-hop com samples e beats feitos sob medida pra destruir a noção de realidade aparente. Confira AQUI 

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Som e Fúria Records aposta em independência coletiva


A Som e Fúria Records é um novo selo de Curitiba criado para ajudar bandas independentes a terem mais visibilidade baseando-se em uma filosofia "faça você mesmo", aliada a "ações entre amigos" na qual os artistas ajudam uns aos outros na divulgação de seus trabalhos. 

O primeiro lançamento do selo é o EP "Cotton Chains", do Lindberg Hotel, e já estão previstos materiais das bandas She Is Dead (em estúdio) e April Seven (em pré-produção), Twelve Street e The Shorts (ambos em fase de mixagem).


Melodias pop dos anos 60 e guitarras cheias de feedback e texturas dos 90 formam a base do som do Lindberg Hotel. O projeto de um homem só, no caso o guitarrista e compositor Claudio Romanichen, já lançou dois álbuns, ambos em 2014, sendo que o segundo figurou em algumas listas de melhores lançamentos independentes do ano. Nas raras apresentações ao vivo, Claudio conta com a ajuda do guitarrista Eduardo Ambrosio e se utiliza de programações. Após participar de algumas coletâneas, o Lindberg Hotel agora lança seu novo EP, “Cotton Chains”, o primeiro lançamento da Som e Fúria Records, e no momento está preparando as composições de seu terceiro álbum.
O novo EP, “Cotton Chains” pode ser ouvido e baixado AQUI 



Se David Lynch conhecesse o April Seven, possivelmente alguma música da banda faria parte da trilha sonora de seus filmes. O som, uma mistura de surf music, baladas estradeiras esquisitas, punk e pop sessentista, emoldura as letras crípticas, estranhas e tristes de Junior Oliveira, acompanhadas pelos arranjos de guitarra de Mau Carlakoski. Após lançar em 2013 o EP “small collection of songs about love and destruction”, que apesar da pouca repercussão, guarda oito pequenas pérolas a serem descobertas por ouvintes mais atentos e espertos, o April Seven prepara-se para a gravação de seu segundo EP pela Som e Fúria Records.

Ouça April Seven AQUI 























Mau Carlakoski comanda com sua guitarra o quarteto She Is Dead. No som da banda estão ecos de hardcore e das guitarras indie dos anos 90, originando um som enérgico e até dançante em alguns momentos. A banda conta ainda com Kim Tonietto (baixo), Daniel Sassaki (guitarra) e Alessandro Santiago (bateria), e está gravando o seu EP de estreia a ser lançado pela Som e Fúria Records.



















O maranhense radicado em Curitiba, Pedro Moura, é o cérebro por trás do Twelve Street, uma banda com composições precisas, românticas e cheias de distorção com visível influência de sons garageiros dos anos 90s e 00s. Após lançar seu primeiro álbum “Almost Twelve”, gravado e mixado em São Luís no início de 2015, a Som e Fúria Records orgulhosamente anuncia o próximo EP do projeto, dessa vez composto por lindas baladas com violões e pianos.

Ouça Twelve Street AQUI 

























O quinteto The Shorts, na ativa desde o início de 2014 e protagonista de apresentações enérgicas e urgentes nos palcos underground de Curitiba mistura influências de variadas vertentes do rock alternativo, grrl power e ambiências muito bem-vindas, que poderão ser conferidas em seu primeiro EP – intitulado “Serendipity” – lançado pela Som e Fúria Records. Natasha Durski (nos vocais), Andreza Michel (baixo) Babi Age (bateria) e Taís D'Albuquerque e Daniel K. nas guitarras são os responsáveis pelo estrago.

Ouça The Shorts AQUI 

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

The Bombers: HBB Live Sessions


A banda santista The Bombers é a nova convidada da série “HBB Live Sessions”, que tem como proposta compartilhar com o público alguns dos pocket shows que acontecem no escritório da gravadora paulistana Hearts Bleed Blue (HBB).

O segundo vídeo deste projeto foi disponibilizado na segunda semana de agosto (12) e em uma mistura de punk rock, ska e rock n roll, o The Bombers apresenta três faixas do álbum All About Love, lançado em 2014 pela HBB. As músicas escolhidas para o formato acústico do “HBB Live Sessions” foram: All About Love, Getting Old e Let's Dance the Night Away. O vídeo, dirigido por Tinho Sousa, foi gravado em Junho deste ano. 

O cenário musical independente da cidade de Santos, no litoral paulista, se tornou fértil em bandas de hardcore nos anos 90, no entanto, o The Bombers, formado em 1995, fugiu à regra e se dedicou ao punk rock, mais tarde abrindo espaço para o ska, o reggae, e o rock and roll. Com vinte anos de estrada, a formação atual do The Bombers é: Matheus Krempel (Voz e Guitarra), Gustavo Trivela (Guitarra), Fernando Hago (Baixo) e Mick Six (Bateria).

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Rockeluche atravessa a psicodelia, cai no indie, encontra a eletrônica até brincar com os ritmos nosenses da Chillwave


Rockeluche é uma banda abrangentemente denominada como rock alternativo pop psicodélico, fundada há 2 anos pelo músico Billy Monteiro em Belém. “Make it Die (Appauded Losers)” foi a faixa utilizada como primeiro single em 2013 e agora foi remasterizada e inserida no EP intitulado “1”, que está sendo lançado este mês junto com o videoclipe da faixa Forest WallsO projeto busca levar diferentes sentimentos para quem o escuta, indo, por vezes, de um som mais orgânico para um mais eletrônico.

O EP conta com sete faixas, sendo que a primeira e a última foram especialmente criadas, respectivamente, para serem espécies de introdução e de encerramento, ambas um tanto quanto tomadas por um ar psicodélico. Diga-se, de passagem, que as cinco faixas principais têm o objetivo de se diferenciarem uma das outras, porém com o desafio de formar e manter uma essência única da banda.

“Forest Walls” foi a faixa escolhida para ser o primeiro single do EP e ganhou um videoclipe com um roteiro bem inusitado e estrelado por Grazi Freitas com co-produção de Lucas Monte. O clipe será lançado dia 21 de Agosto e já conta com um teaser na fanpage oficial da banda. 

Brevemente serão divulgadas as datas de shows do projeto, que contarão com a participação surpresa de três músicos paraenses.

terça-feira, 18 de agosto de 2015

Bombay Groovy está entre os 10 finalistas do Samsung E Festival e comemora indicação no La Nave Festival 6‏

Foto: Amanda Guerra
Uma banda instrumental que subverte os dogmas indianos ao tocar o sitar - elemento decisivo para o projeto - como se fosse uma guitarra; um músico inspirado no blues minimalista de Robert Johnson; uma dupla sutil, pop e experimental e um folk lonely man cujo disco foi gravado em um único take. Tudo se mistura na noite de 21/08, uma sexta-feira, no La Nave Festival 6 - agora no Hole Club, uma antiga galeria paulistana da década de 60.

Apontados como uma das mais expressivas bandas da nova psicodelia nacional por publicações como a revista Rolling Stone, Bombay Groovy apresenta seu álbum homônimo. As faixas passam por diversos gêneros musicais, inspiradas no fusion de Ananda Shankar e bandas como Led Zeppelin. O disco “Bombay Groovy” é uma experimentação sonora que dispensa os elementos vocais e verbais, substituídos vôos inventivos de órgão (Jimmy Pappon), melodias transcendentais de sitar (Rod Bourganos) e percussão (Leonardo Nascimento) pesada como uma locomotiva, flertando com diferentes estilos da música étnica e popular. A banda está, ainda, entre as dez finalistas do Samsung E Festival Instrumental. Dá para conhecer a faixa selecionada e votar na Bombay AQUI.

Pedro Pastoriz (Mustache e os Apaches) apresenta seu primeiro disco, fruto de uma gravação em vinil realizada no processo de direct cut em uma viagem aos Estados Unidos. Como várias músicas foram feitas durante seu trajeto, logo que chegou em São Paulo Pedro procurou uma maneira de gravar em processo parecido, quando conheceu Arthur Joly, que o convidou para o que veio a ser a gravação de um disco inteiro em um único take (feito na Vinyl Lab). “Nunca me senti tão vivo no estúdio, não há segundo take, não há maquiagem, é o registro nu e cru sob o charmoso ruído de um vinil”, diz Pedro.

Completam a noite a banda Nuvem, dupla carioca formada por Gabriel Marques (guitarra e vocal) e Henrique Bulcão (baixo e vocal) e influenciada por bandas como Clube da Esquina e Os Mutantes - mesclando o pop ao rock psicodélico, ao progressivo, a MPB e ao folk -, e a estreia do músico nordestino Wallacy Willians, ou “o diabo cearense”, multi-instrumentista que apresenta seu primeiro disco homônimo. Ainda rolará “Murilo Sá Jukebox”, projeto de discotecagem e intervenções acústicas do artista, sessões de tarot com Hannah Esptein e feirinha de zines.



Serviço
Evento: LA NAVE FESTIVAL 6
Data: 21/08/2015
Local: HOLE CLUB (Rua Augusta, 2203 – Jardins, São Paulo).
Contatos: (11) 98117-9292 // hole@holeclub.com.br
Horário: 23H30

Entrada: R$ 20,00

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Mundo Alto lança single de disco de estreia

Foto: Tinho Souza 
O disco será lançado em Setembro pela gravadora paulistana Hearts Bleed Blue (HBB). Parte da gravação foi feita por Fernando Sanches no estúdio El Rocha, que também foi responsável pela masterização do disco. O vocalista Paulo, também técnico e produtor musical, ficou encarregado da gravação no estúdio Costella e da mixagem do novo álbum.

Mundo Alto compõe em português e faz arranjos reforçados por sintetizadores e instrumentos menos comuns em bandas de rock, como é o caso da escaleta. O grupo chamou a atenção da mídia especializada quando lançou um CD EP com seis canções em outubro de 2014. O jornalista Ricardo Alexandre, expert em rock nacional, ao comparar o Mundo Alto com Supercombo, afirmou: “Gosto muito do Supercombo, mas gosto mais ainda do Mundo Alto, que, me parece reunir boa parte das virtudes daqueles, mas com mais arestas, mais entranhas e um pouco mais de sujeira bem-vinda”.

A banda composta por Paulo (Guitarra e Voz), Alexandre (Baixo), Leonardo (Bateria) e Aline (Synth), busca a sonoridade e a estética de bandas dos anos 80/90 como Weezer, Dinosaur Jr. e Pixies, e agrega influencias que vão de Chico Buarque a Nirvana.

Após o lançamento de “A Interminável Necessidade de Ser”, o Mundo Alto fará uma série de shows pelo Brasil para divulgar o novo álbum, incluindo a participação no Festival Dosol 2015, importante festival de música que acontece em Natal/RN. Além disso, o Mundo Alto ainda estará presente em todas as datas da turnê Dosol – HBB, que passará por várias cidades do Nordeste, ao lado das bandas Medulla e Magüerbes.

Ouça o novo single AQUI 

Anne Jezini e o seu ‘Toda queda guarda um susto’


Resultado de um ano de trabalho foi lançado no dia 07/07, o álbum de estreia da cantora amazonense Anne Jezini, ‘Toda queda guarda um susto’, para download gratuito na internet em seu site (annejezini.com). O álbum que tem a inusitada produção musical do músico e produtor Rosivaldo Cordeiro (que tem em seu currículo o estrondoso sucesso do grupo Carrapicho, do qual foi integrante e outros trabalhos que resgatam a guitarra amazônica), mistura influências, mesclando sonoridades amazônicas, ritmos latinos, samba, morna caboverdiana, trip-hop, jazz e rock alternativo.

A gravação do álbum aconteceu em Manaus, no Digital Verde Studio, no período de outubro à agosto de 2014 e cantora Anne Jezini ainda gravou vozes de algumas das faixas em Paris, no lendário Estudios Davout, onde mixou e masterizou as músicas com o engenheiro de áudio Jean-Loup Morette, que acumula experiências em álbuns de Cesárea Évora e Talking Heads. O processo de finalização aconteceu em novembro desse mesmo ano.



O álbum tem 10 faixas, a maioria sendo de autoria da cantora com parceiros e artistas da região norte. Na missão de traduzir as referências apresentadas por Anne Jezini o produtor Rosivaldo Cordeiro costurou trip-hop à bossa nova, violões que remetem ao samba de raiz, guitarrada, percussões sutis, mas com a lembrança tribal da Amazônia, chorinho mesclado ao baião. E tudo embalado por um ramalhete de sintetizadores. Sobre a temática, a cantora revela o drama e a decepção dos fins de relacionamentos, a dor da perda, mas ao mesmo tempo a redenção de quem exorciza o final de um ciclo e o alívio - em forma de música, é claro -, na crença em dias melhores.

O álbum ‘Toda queda guarda um susto’, além de estar disponível (gratuitamente) no site da cantora, também pode ser ouvido em seus canais no SoundCloud, YouTube, Toque no Brasil, Rdio, Deezer e Spotify. Em agosto o trabalho ganha formato físico em CD e em limitadíssimos LPs.

Sobre a cantora 

Nascida em Manaus, Anne Jazini já tinha influências musicais desde pequena: criada pelos pais ao som de Sade à Nelson Gonçalves. A cantora e compositora teve aulas de música quando criança em São Paulo e, aos doze, quando se mudou para Roraima, entrou para coral da escola, experimentando pela primeira vez o palco como solista nas apresentações pela cidade. Em 2011 e 2012, estudou performance vocal em Londres, na “London Music School”, onde teve a oportunidade de aprimorar, ainda mais, sua técnica. Pelo fato de ser uma escola com estudantes vindos de vários países diferentes, teve a oportunidade de entrar em contato não só com o Indie Rock, Britpop, Jazz, Soul e Eletrônico mas também com a música de Portugal e de Cabo Verde - o fado e a morna.

E-mail: annejezini@gmail.com
Facebook: /annejezinimusica
Twitter: @Anne_jezini
Instagram: @Annejezini


sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Venus Volts - Keep Me Posted


Nada de novo é a primeira oferta de Keep Me Posted, novo EP da Venus Volts. Enquanto ele não apresenta tecnicamente nada de novo, este registro tem uma abordagem refinada para a nova fórmula e faz valer a pena o seu tempo para ouvir. As guitarras e vocais suaves inclinados se prestam a um fundo relaxante. Percorrendo cada faixa com a devida atenção às letras, se observa uma conexão mais profunda. É por meio dessas palavras que a música revela a sua verdadeira profundidade.

Pessoas comuns certamente se situam acima da linha do comum dentro do gênero. Nada Novo pode oferecer duas experiências muito diferentes com base no nível de interação que o ouvinte escolhe. A Venus é claramente composta por um músico criativo e esperançoso. O EP ainda proporciona ao ouvinte uma experiência emocional que traz você para baixo apenas o suficiente para relaxar sem se tornar demasiado melancólico, enquanto que uma audição mais profunda traz as emoções e sentimentos particulares de vida e emoções. 

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Transtorninho Records - Lançamento #10 - 'Magic Crayon - Waking life dreaming'‏

Divulgação 
Perto de completar um ano de selo, a Transtorninho Records acaba de divulgar o seu 10º lançamento, o EP Waking life dreaming da banda Magic Crayon. O disco que foi lançado nesta quarta-feira (5) é resultado da reunião de gravações feitas durante a história da banda, que já teve várias formações e passagens pela cena indie brasileira.

Surgida em 1999, a Magic Crayon é formada por Cesar Zanin (guitarras e vozes), Fábio Barbosa (bateria), Mariana Cetra (vocais, escaleta e acordeom), e Carlos Costa (baixo), músicos que circularam pela cena do underground paulista nos anos 1990. As cinco faixas do Waking life dreaming levam quem escuta para uma viagem pelas referências afetivas dos autores. A banda sintetiza sonoridades que remetem ao shoegaze e ao indie de bandas como Slowdive, Yo La Tengo e My Bloody Valentine.

Entre 2000 e 2004, a Magic Crayon participou de compilações em CD e cassete no Brasil e no exterior, juntamente com bandas como Cannanes e Fellini, lançou dois EPs, o Magic Crayon (autointitulado), em 2001, e Whatever You Say Is a Lie (So Fucking Romantic), em 2003, com a ajuda dos selos O Bosque/Woodland e Slag Records, tendo circulado em São Paulo, Brasília, Goiânia, Curitiba e Porto Alegre. Após esse período, o grupo entrou em um hiato, que só foi interrompido em 2011, quando a Magic Crayon se reuniu para a gravação de novo material. O ponto alto da trajetória da banda foi em 2013, quando foi convidada para abrir os shows da turnê brasileira da Beach Fossils, grupo de indie rock de Nova York.

A ideia de reunir as músicas compostas desde o início da banda em um novo registro veio após um convite feito pela Converse Rubber Tracks para gravar quatro músicas em um estúdio profissional. A gravação foi produzida por Jean Dollabella, ex-baterista do Sepultura. Da sessão da Converse saíram três músicas que estão presentes no EP; as outras faixas que compõem o disco foram compostas em 2011 e em 2003.

Ainda este ano, a Magic Crayon vai lançar seu primeiro disco completo, Patchwork, pelo selo Jigsaw Records (Seattle, EUA). Os lançamentos também contam com a parceria do selo O Bosque/Woodland.

SOBRE O SELO

Transtorninho Records é um selo formado no Recife por gente que gosta principalmente de rock, mas também de esquisitices variadas em termos de som e imagem. O EP Waking life dreaming é o décimo registro em nosso catálogo, que reúne discos, EPs e singles de artistas de São Paulo, do Paraná, de Alagoas, de Pernambuco, entre outros estados. Não nos apegamos a um estilo musical específico ou a um nicho de mercado. O objetivo da Transtorninho é dar espaço e visibilidade a iniciativas nas quais acreditamos. Da música eletrônica ao rock de adolescente, nossos registros têm em comum a possibilidade de produzir e fazer música com o que se consegue, sem que limitações técnicas impeçam a fruição artística. Ouça nossos discos, compre nossos produtos, vá aos shows. Trsntnnh rEx.

Ouça e baixe gratuitamente